E d u c A ç ã o

10/05/2009

Aula de cafuné?

Filed under: Ética,Cidadania,Educação,Pedagogia do Abraço — jspimenta @ 20:11

É possível ensinar nossas crianças de forma amorosa, diz o educador mineiro. Nesta entrevista, o educador popular, antropólogo, folclorista e fundador do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento Tião Rocha mostra como é possível educar e dar carinho ao mesmo tempo. Em Moçambique aprendeu sobre a importância de a comunidade assumir a responsabilidade pelas suas crianças através do esforço coletivo onde cada um disponibiliza o que tem de melhor. Para ele, a educação se faz a partir de contato e não de equipamentos. Educação é troca, é construção, é relação. Muitas vezes escolas super bem equipadas são um fiasco no que diz respeito à formação de seres humanos. Por outro lado, uma educação de ótima qualidade pode ser feita debaixo de uma árvore. Tião também irá explicar o significado das diferentes pedagogias criadas por ele como a pedagogia da roda, do brinquedo, do abraço e cafuné pedagógico.

conversa-tiao-73

Educador popular, antropólogo e folclorista, Tião Rocha fundou o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD) por indignação e teimosia. Essa ONG foi parida em 1984, em Belo Horizonte, em meio à miséria, à dor, ao abandono e à esperança. Na ocasião, Rocha começou se perguntando se era possível fazer educação embaixo de pé de manga. Não só foi possível como ele e sua equipe transformaram cafuné, abraço e sabão em pedagogia e políticas públicas. Os projetos do CPCD estão em mais de 20 cidades brasileiras e em três países (Angola, Moçambique e Guiné-Bissau). “Aprendi em Moçambique que para educar uma criança é preciso toda uma aldeia. Se a comunidade assumir a responsabilidade por suas crianças, não vai haver mais criança analfabeta neste país. Isso não é uma política de governo, nem de Terceiro Setor, é uma questão ética. E como se mobiliza a aldeia? Juntando o que as pessoas têm de melhor e disponibilizando”, diz Rocha.

Como unir simplicidade e modernidade na escola?

Educação só acontece no plural, porque estão envolvidas, no mínimo, duas pessoas. Se houver uma máquina no meio, qualquer que seja, como um computador, que favoreça, tudo bem. Mas, se isso tiver o caráter de substituir pessoas, pode até ter aprendizagem, mas falar que há educação é outra história. A sofisticação se dá na relação entre as pessoas: você senta numa roda e estabelece entre elas processos de troca. É uma relação de construção. Livros, cadernos e equipamentos têm que entrar para se somar a esse projeto de pessoas. Se houver isso, ótimo, ajuda. Se não houver, não significa que se vai deixar de fazer.

Como você diferencia educação de escolarização?

Escola é meio. Educação é fim. Há escolas muito bem equipadas que têm uma educação medíocre do ponto de vista da formação dos seres humanos. A gente observa, nos grandes centros, escolas bem montadas, mas que parecem uma cadeia, cercadas de grades, cheias de câmeras para policiar. Comprovamos há 25 anos que é possível fazer educação de boa qualidade debaixo de pé de manga, recuperando o sentido da educação como prática humana. Trabalho no interior de Minas Gerais, onde as pessoas vivem em condições subumanas e aonde a tecnologia ainda não chegou. O fato de passar um canal lá de televisão não significa que houve mudanças efetivas. Houve informação, mas não transformação em conhecimento.

Vocês usam a pedagogia da roda. Como ela funciona?

A roda é um lugar da ação e da reflexão, do ouvir e do aprender com o outro. Todos são educadores, porque estão preocupados com a aprendizagem. É uma construção coletiva. Na roda você constrói consensos. Porque todo processo eletivo é um processo de exclusão, e tudo que exclui não é educativo. Uma escola que seleciona não educa, porque excluiu alguns. A melhor pedagogia é aquela que leva todos os meninos a aprenderem. E todos podem aprender, só que cada um no seu ritmo, não podemos uniformizar.

Nos seus projetos também foi adotada a pedagogia do brinquedo. De que se trata?

A pedagogia do brinquedo veio responder a uma pergunta: será possível ter uma escola formal boa e prazerosa? Será que os meninos podem aprender brincando, ou a escola tem que ser um serviço militar aos 7 anos? É a idéia de transformar o brinquedo em instrumento de aprendizagem. Percebemos que eles podem aprender tudo, desde se alfabetizar até história, física, química, matemática, e também cidadania, ética, solidariedade, sexualidade.

De que forma esse processo pode ser multiplicado?

Foi em cima disso que comecei a trabalhar com meninos de 7 a 14 anos. Todo início de ano, faço com eles uma aposta de que tudo que vou fazer vai ser na base do brinquedo, da brincadeira. Há 20 e tantos anos, um garoto chegou para mim e disse: “Ah, legal, mas cadê os brinquedos?” Eu falei: “É verdade, não tem nenhum. Mas vamos fazer uma aposta? No dia em que não soubermos mais inventar os próprios brinquedos eu começo a comprar. Topa?” E toparam. Claro que ganhei. Isso é a pedagogia do sabão: aproveitar os recursos que tem e transformar em utilidade econômica, social, doméstica e também pedagógica. Com isso, você vai gerando uma série de processos. São exercícios de aprendizagem.

Você fala em pedagogia do abraço. Como funciona?

A pedagogia do abraço é uma forma de trabalhar com grupos marginalizados, não por carências nem pelo IDH, mas pelas potencialidades. Trabalhamos com o IPDH: Índice de Potencial de Desenvolvimento Humano. Começamos a falar em cafuné pedagógico. Só sabe que é bom cafuné aquele que já o recebeu uma vez na vida. Então tivemos que fazer cafuné pedagógico, que é possibilitar que o outro invista no lado luminoso dele, capaz de surpreender e de gerar. Isso também começou em uma brincadeira com meninos na periferia. A minha brincadeira era dizer: só vou dar um abraço apertado, daqueles de quebrar costela, se você estiver com o cabelo penteado, ou de batom, cheirosa. Senão, comigo vai ser distância, na ponta do dedinho. Um jogo. Só que isso fez com que a meninada levasse a sério. Nós percebemos na comunidade e na escola a demanda dessas pessoas que querem ser cuidadas, que querem se gostar. Percebemos que o afeto, o abraço, o cafuné pedagógico favoreciam as pessoas a sentir mais orgulho de si. E as ajudavam a sair da linha de baixo, do desprezo, para a de cima, da auto-estima.

É difícil convencer os governos a investir nesses projetos?

É difícil demais. Imagine que a maioria dos órgãos públicos trabalha com rubricas financeiras e não em cima de plataformas, bandeiras e causas. A educação é transformada em números. A escola, que foi o aparelho ideológico do estado na época da ditadura, virou aparelho ideológico do mercado. Você tem que formar gente para atender à demanda do mercado. Há escolas em que o importante é formar, empurrar para a frente, não importa o tanto de alunos que deixou para trás. Isso retira o poder de pessoas. São jogos políticos, não de solidariedade. O grande problema da escola atual é que é cômodo ficar dentro de uma forma que existe há 500 anos. Ela ainda trabalha com conteúdos absolutamente equivocados. Os meninos têm que passar por sessões de tortura, com informações sem a mínima importância. Perde-se um tempo danado.

Conheça mais sobre o trabalho de Tião Rocha no Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento:
http://www.cpcd.org.br

Disponível em: http://vidasimples.abril.com.br/edicoes/073/conversa/conteudo_399672.shtml

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.