E d u c A ç ã o

20/06/2009

A última professora

Filed under: Educação — jspimenta @ 23:06

professora_2

Texto: Carlos Eduardo Novaes

Estamos em 2989 e alguns cientistas, trabalhando nas ruínas de um sítio
arqueológico (local outrora conhecido como Jacarepaguá), encontraram
uma mandíbula de mulher. Levada ao laboratório, descobriu-se que ela
pertencia a uma professora. Não uma professora qualquer, mas
provavelmente a última da espécie classificada como de 1º Grau que
viveu por volta de 2020 num antigo país chamado Brasil.

No final do séc. XXI, o Brasil que conhecemos se tornou um aglomerado de tribos independentes, expressando- se nos mais diferentes idiomas. A descoberta do que ficou conhecido como a Professora de Jacarepaguá (uma versão mais moderna do Homem de Neanderthal) tornou possível encontrar as razões da dissolução do país.

Buscando nos livros, os cientistas perceberam que houve uma época – entre o início do séc. XX e meados dos anos 50 – em que professores desse extinto país ocupavam uma posição invejável na escala social. As famílias monogâmicas das classes médias (e algumas altas) orgulhavam-se de poderem encaminhar suas filhas para a profissão. Casar com uma professora era a aspiração suprema de muitos homens. Elas eram olhadas com respeito, admiração e desfrutavam de um status semelhante ao dos militares.

Reconhecidas na sua missão histórica de educar, recebiam – acreditem –
um salário que chegava ao final do mês. Alguns iam além.
Não se sabe precisar a data, mas parece que foi no final dos anos 70 que o magistério começou a desabar na escala social. Por mais que quebrem a cabeça, nossos cientistas não conseguem entender as razões dessa queda vertiginosa. Não terá sido por falta de escolas, porque o país esforçava-se para entrar na modernidade e necessitava ampliar sua rede escolar. Não terá sido também por falta de quem educar, porque esse atrasado país somava mais de 50 milhões de analfabetos e semiletrados no início dos anos 90. Muito menos pela possibilidade de substituir professoras por robôs, televisores e computadores. Por que então os magistrados passaram a ser tratados como os servos do antigo Egito?

A princípio, suspeitou-se que esse povo atrasado e tropical tivesse uma
caixa craniana inferior a das raças desenvolvidas. Mais tarde,
encontraram- se outras razões para o declínio do magistério: um complô
contra a educação, criado pela classe dominante (10% da população), que detinha mais de 50% da renda nacional. Não interessava a ela ver o
saber democratizado, ou seus privilégios estariam ameaçados. Os
professores despencaram para os últimos lugares da tabela econômica,
equiparando- se aos profissionais (não especializados) mais mal pagos
desse triste país. Alguns, ganhando salário-mínimo, recebiam menos do
que os operários que ajudaram a levantar os Jardins Suspensos da
Babilônia.

O resultado é que, a partir do início do século XXI, o professorado
tornou-se uma espécie em extinção. Documentos da época informaram que, quando uma jovem anunciava o desejo de ser professora, a família a colocava de castigo. Era preferível ganhar a vida como chacrete em programa de auditório. Os cientistas pesquisaram o desaparecimento de outras atividades nesse país: funileiro, cocheiro, acendedor de lampiões. Ocorre que esses profissionais foram engolidos pelos avanços da civilização. No caso dos professores, não há progresso nem tecnologia capaz de substituir sua presença. É a professora quem nos leva pela mão na travessia para as primeiras letras. É ela quem nos coloca no ponto de partida e, com uma palmadinha no traseiro, parece dizer:”Agora vai à luta”.

Segundo os cientistas, os governos da época, preocupados com questões mais transcendentais, não perceberam a escassez de professores no mercado. Foi preciso que as escolas começassem a fechar e os donos das escolas particulares esperneassem desesperados para o governo tomar providências. Que providências?

Importar professores, como fez com o álcool. No início dava-se preferência a Portugal e às ex-colônias. Mas eles também tinham suas
crianças para educar, de modo que o Governo teve que recorrer ao
Paraguai, Bolívia, Guianas. Logo, os países desenvolvidos – que já
dominavam a cultura do Brasil – perceberam o alcance do negócio e
trataram de enviar, gratuitamente, bandos de professores às escolas
brasileiras.

O país tornou-se uma Babel. Em algumas regiões, ensinava-se em japonês; em outras, em alemão ou inglês, ou italiano ou espanhol. Em apenas uma única escola, em Jacarepaguá, uma professora resistia, ensinando os alunos em português. Sua morte tornou-se um marco na história da Educação nesse país. Foi enterrada com honras de herói nacional e o monumento ao “Professor Desconhecido” , erguido no antigo Centro da Cidade, reproduz seu rosto na figura principal. Ao pé do monumento, os dizeres: ” A última professora brasileira, homenagem
dos seus ex-alunos.” Foi a última frase que se escreveu nesse país em
português.

( Jornal O Dia, 02/12/90).

Anúncios

1 Comentário »

  1. Este é o artigo jornalístico que eu gostava que nunca viesse a ser escrito… em nenhuma língua, em tempo algum! só de pensar… dá arrepios!!!!

    Faz-me lember a “Carta escrita em 2070”
    (http://troll-urbano.weblog.com.pt/arquivo/2005/06/carta_escrita_e.html)

    Comentário por antonio — 21/06/2009 @ 16:39 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: